GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO: UMA INVESTIGAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM LABORATÓRIOS DE P&D.

Larissa Guimarães Nogueira, Bruno Rafael Dias de Lucena

Resumen


Este artigo analisa a utilização de boas práticas no gerenciamento de risco em projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) na Universidade Federal do Pará (UFPA). O investimento em P&D é crucial para o crescimento de um país. Nesse contexto, este trabalho faz uma investigação na maior universidade do norte do Brasil sob aspectos do cenário atual do gerenciamento de projetos de ciência e tecnologia, e como os riscos são tratados neles. A abordagem da pesquisa é qualitativa, o método é exploratório e os procedimentos categorizados como pesquisa de campo. O objetivo principal desta pesquisa é avaliar e compreender a adoção e utilização de boas práticas de gerenciamento de riscos em projetos de pesquisa e desenvolvimento pelos seus gestores. Os resultados divergem da expectativa gerada pelo estudo bibliográfico, referente aos impactos da falha do gerenciamento de risco nos indicadores de sucesso analisados (prazo, custo e requisitos), levantando discussões e abrindo novas possibilidades de estudo. A partir do trabalho desenvolvido, conclui-se que o gerenciamento de riscos é de suma importância para lidar com incertezas e variáveis desconhecidas, porém, a sua aplicabilidade em projetos de pesquisa e desenvolvimento requer um estudo mais aprofundado e desenvolvimento de ciência adequada para que possibilite determinar os pontos-chave para o gerenciamento eficaz e eficiente desse tipo de projeto.


Palabras clave


Gerenciamento de Projetos, Risco, Gerenciamento de Riscos, Boas Práticas, Projetos de P&D.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


(1) HILLSON, D. “Managing risk in projects. -- (Fundamentals of project management)”. Reino Unido: Gower Publishing, 2009.

(2) GRELL, A.; ROSA, C. “Gestão de projetos como agente facilitador na implantação de um sistema de informações de custos em um hospital público”. RASM, Alvorada, ano 5, n.1, p. 2-24, jan. /jun.2015.

(3) SERRADOR, P; PINTO, J. “Does Agile work? — A quantitative analysis of agile project success”. International Journal of Project Management, Vol. 33, 2015, pp. 1040–1051.

(4) SOUZA, W.; BERMEJO, P.; CAVALCANTE, C.; DOMINGOS, R. “Inovação aberta no setor público: como o Ministério da Educação utilizou o crowdstorming para impulsionar a prospecção de soluções inovadoras. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada” - IPEA, 2015, capítulo 12, p. 231-240.

(5) PINHEIRO, A.; SIANI, A.; GUILHERMINO, J.; HENRIQUES, M.; QUENTAL, C.; PIZARRO, A. “Metodologia para gerenciar projetos de pesquisa e desenvolvimento com foco em produtos: uma proposta”. Revista de Administração Pública - RAP Rio de Janeiro 40(3):457-78, Maio/Jun. 2006.

(6) SALLES JR., C.; SOLER, A.; VALLE, J.; JR. RABECHINI, R. “Gerenciamento de riscos em projetos” - Reimpressão. - Rio de Janeiro. Editora: FGV, 2007.

(7) JERÔNIMO, T.; SILVA, L.; BATISTA, D.; GALVÃO, M. “Avaliação do risco gerencial na elaboração de projetos de inovação em pequenas e médias empresas de alta tecnologia sob a ótica da metodologia PRISM”. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 2, n. 1, p 52-68, jan./jun. 2011.

(8) VENCATO, M. “Ferramenta para análise e avaliação de riscos no planejamento de projetos de pesquisa e desenvolvimento”. Revista de Gestão e Projetos - GeP Vol. 5, N. 2. Maio/Agosto. 2014.

(9) PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. “Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos (Guia PMBOK)”. 6ª Edição. Pennsylvania, 2017.

(10) MONTES, C. “O que é um projeto?”, 2018. Disponível em: . Acesso em: 31 Ago, 2018.

(11) XAVIER, C.; XAVIER, F.; REINERT, J.; STOECKICHT, I. “Gerenciamento de projetos de inovação, pesquisa e desenvolvimento (P&D) de produtos: uma adaptação da Basic Methodware”. Rio de Janeiro: Brasport,2014.

(12) BÀKUTI, S.; BÀKUTI, F. “Gestão ambiental e estratégia empresarial: um estudo em uma empresa de cosméticos no Brasil”. Gest. Prod., São Carlos, v. 21, n. 1, p. 171-184, 2014

(13) BOMFIM, D.; NUNES, P.; HASTENREITER, F. “Gerenciamento de projetos segundo o guia PMBOK: desafios para os gestores”. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 3, p 58-87, set./dez. 2012.

(14) ESTEVES, A. “Gerenciamento de projetos de desenvolvimento de medicamentos sintéticos em um laboratório farmacêutico oficial brasileiro: proposta para melhoria da gestão a partir da modelagem de um processo padrão”. Dissertação de Mestrado Profissional em Gestão, Pesquisa e Desenvolvimento na Indústria Farmacêutica - FIOCRUZ. Rio de Janeiro, p. 24. 2018.

(15) SOUZA, Y.; VASCONCELOS, M.; JUDICE, V.; JAMIL, G. “A contribuição do compartilhamento do conhecimento para gerenciamento de riscos em projetos: um estudo na indústria de software”. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação. USP, Vol. 7, No. 1, 2010, p.183-204.

(16) KERZNER, Harold. “Gerenciamento de projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle”. 10ª Edição. São Paulo: Blucher, 2011.

(17) FERNANDEZ, G. “Diretrizes para construção de uma metodologia de gerenciamento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica - caso do escritório de gerenciamento de projetos do INT na EMBRAPII”. Dissertação de Mestrado do Curso de Sistemas de Gestão - Universidade Federal Fluminense. Niterói, p. 21. 2016.

(18) EWUSI-MENSAH, K. (1997). “Critical issues in abandoned information systems development projects”. Communications of the ACM, 40(9), 74–80.

(19) JOIA, L.; SOLER, A.; BERNAT, G.; JR., R. “Gerenciamento de riscos em projetos”. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

(20) BAKKER, K; BOONSTRA, A.; WORTMANN, H. “Does risk management contribute to IT project success? A meta-analysis of empirical evidence”. International Journal of Project Management, v. 28, n. 5, p. 493–503, 2010.

(21) PAN, G. , HACKNEY, R.; PAN, S. “Information Systems implementation failure: Insights from prism”. International Journal of Information Management 28 (2008) 259–269.

(22) QSP. “Entendendo a definição de risco”, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 Out, 2018.

(23) ISO 31000: 2018. “Gestão de riscos – Diretrizes”. ABNT. 2018.

(24) CASUALTY ACTUARIAL SOCIETY - CAS. Overview of enterprise risk management, United States, May. 2003.

(25) CHING, H.; COLOMBO, T. “Boas práticas de gestão de risco corporativo: estudo de dez empresas”. REBRAE. Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, v.6, n.1, p. 23-25, jan./abr. 2013.

(26) CURTO, H. “As melhores práticas de gestão de riscos em projeto”. Project Management Knowledge Base-PMKB. Disponível em: . Acesso em: 09 Nov, 2018.

(27) FORGEP. MELHORES PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. São Paulo: Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, 2017, p. 47.

(28) GIL, A. C. “Como elaborar projetos de pesquisa”. São Paulo: Atlas, 2002.

(29) FONSECA, J. J. S. “Metodologia da pesquisa científica”. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

(30) VIEIRA, K; DALMORO, M. “Dilemas na construção de escalas tipo likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados?” In: ENANPAD. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 32, 2008, Rio de Janeiro.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Iberoamerican Journal of Project Management (IJoPM). ISSN 2346-9161(Online). www.ijopm.org. Correo: journal.ijopm@gmail.com.

Recomendamos utilizar el navegador Google Chrome. Recomendamos o uso do navegador Google Chrome. Recommend using the Google Chrome browser.