A ABORDAGEM DO CONFLITO PELO GUIA PMBOK® E SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO GERENTE DE PROJETOS BRASILEIRO

Mauricio Augusto Cabral Ramos Junior, Marilda da Silva, Joel de Lima Pereira Castro Junior

Resumen


As práticas em gerenciamento de projetos do PMI®, instituto que é uma referência mundial no assunto, encontram-se no Guia PMBOK®, a fonte padrão de conhecimento a respeito no Brasil. Esta disseminação, para alguns pesquisadores, seria inadequada, por se tratar de uma referência normativa que desconsideraria as peculiaridades de cada organização, como a abordagem e resolução de conflitos interpessoais segundo técnicas formais como a facilitação e a negociação, entre outras. Isto estimulou uma análise do guia a respeito, buscando-se implicações desta abordagem sobre a formação profissional do gerente de projetos brasileiro, o que se deu pela apuração de seu nível de educação formal e aprendizado em gerenciamento de conflitos. Trata-se de uma pesquisa quanti-qualitativa, cujos sujeitos são 112 gerentes de projetos brasileiros natos de nível sênior. A coleta de dados foi feita por meio de questionário com perguntas fechadas e abertas. Para a análise do conteúdo do guia optou-se por uma inflexão à técnica da Análise de Conteúdo. Os resultados apontam que o conteúdo apurado sobre gerenciamento de conflitos é inadequado diante da complexidade do assunto, o que poderia induzir ao desinteresse pela educação formal e aprendizado em gerenciamento de conflitos por estes profissionais, como indica o nível insatisfatório apurado nestes quesitos.


Palabras clave


Aprendizado; Projeto; Conflito; PMI; PMBOK

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


(1) CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F. (2007). O poder nas organizações (coleção debates em administração). São Paulo: Thomson Learning.

(2) ROBBINS, S. P. (2002). Comportamento organizacional. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall.

(3) DANTAS, A. (2009). Estudos dos conflitos interpessoais nas organizações: contribuições da psicologia à gestão de pessoas. Monografia de pós-graduação. Faculdade União das Américas – Uniaméricas, Foz do Iguaçu.

(4) VICENTIN, V. F. (2009). Condições de vida e estilos de resolução de conflito entre adolescentes. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

(5) MARQUES JR, L. J.; PLONSKI, G. Ary. (2011). Gestão de projetos em empresas no Brasil: abordagem “tamanho único”? Revista Gestão & Produção, São Carlos, 18(1), 1-12.

(6) DE OLIVEIRA, V.; KALENA, F.; ROCHA, M. (2014). Série diálogos – o futuro se aprende. São Paulo: Instituto Inspirare. Fonte: http://www.porvir.org/especiais/socioemocionais.

(7) PRADO, D. (2010). Fundamentos do modelo Prado-MMGP. Fonte: http://www.maturityresearch.com/novosite/biblio/fundamentos-modelo-prado-mmgp.pdf.

(8) AULETE, F. J. C. (2017). Dicionário Caldas Aulete. Fonte: www.aulete.com.br.

(9) SANTOMAURO, B. (2010). Inatismo, empirismo e construtivismo: três ideias sobre a aprendizagem. Revista Nova Escola, 237. Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/inatismo-empirismo-construtivismo-tres-ideias-aprendizagem-608085.shtml.

(10) SANTIAGO JÚNIOR, J. R. S. (2014). O processo de lições aprendidas em projeto, o maior dos desafios de uma organização. Fonte: http://vanzolini.org.br/blog/2014/06/o-processo-de-licoes-aprendidas-em-projeto-o-maior-dos-desafios-de-uma-organizacao/.

(11) PMI. (2013). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos (Guia PMBOK®) (5.ed). Newton Square: Project Management Institute.

(12) GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

(13) MOTA, M. S. G.; PEREIRA, F. E. L. (2015). Desenvolvimento e aprendizagem: processo de construção do conhecimento e desenvolvimento mental do indivíduo. Fonte: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/tcc_desenvolvimento.pdf.

(14) FRICKE, R. M. (2009). Métodos estatísticos e a administração. In: BATTISTI, I. D. E.; FRICKE, R. M.; CORRENTE, A. E. (Org.). Ijuí: Ed. Ijuí. (Coleção educação à distância. Série livro texto).

(15) CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm, 15(4), 679-684. Fonte: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17.

(16) SOTILE, M. (2015). Quantos possuem uma credencial do PMI? E no Brasil?. Fonte: http://www.pmimg.org.br/wp-content/uploads/2013/10/dados-estatisticos.pdf.

(17) ROLIM, L. (2015). Média de idade da aposentadoria está entre menores do mundo, diz governo. Jornal O Globo. Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/10/media-de-idade-da-aposentadoria-esta-entre-menores-do-mundo-diz-governo.html.

(18) ARCHIBALD, R. D; PRADO, D. (2012). Pesquisa Archibald & Prado – Maturidade em Gerenciamento de Projetos 2012. Fonte: http://www.maturityresearch.com/novosite/2012/download/PesquisaMaturidade2012_RelatorioGeral_V3.pdf.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Iberoamerican Journal of Project Management (IJoPM). ISSN 2346-9161(Online). www.ijopm.org. Correo: journal.ijopm@gmail.com.

Recomendamos utilizar el navegador Google Chrome. Recomendamos o uso do navegador Google Chrome. Recommend using the Google Chrome browser.